De maneira geral, a microscopia de fluorescência é muito semelhante à microscopia ultravioleta. A microscopia de fluorescência se baseia na propriedade que algumas substâncias possuem de emitirem fluorescência após absorverem energia ultravioleta. Em microbiologia, os microrganismos podem ser corados com um corante fluorescente, como o fluorocromo, para produzirem imagens fluorescentes ao microscópio UV.

A principal aplicação da microscopia de fluorescência em microbiologia é a técnica de identificação de reações imunológicas, ou seja, de reações antígeno-anticorpo. O fluorocromo se conjuga com o anticorpo e torna possível identificar células individuais que reagem com o anticorpo, através da emissão de fluorescência. Esta técnica é chamada de imunofluorescência.

Na imunofluorescência, uma cultura de células bacterianas é incubada com um anticorpo, o qual está conjugado com um corante fluorescente. Este conjugado antígeno-anticorpo poderá recobrir a superfície de algumas células, enquanto outras permanecerão sem o conjugado. Com o uso de luz ultravioleta, somente as células recobertas com o conjugado antígeno-anticorpo produzirão fluorescência e aparecerão brilhantes ao microscópio.

Créditos da imagem: Olympus Microscopy Resource Center - http://www.olympusmicro.com/

Próximo artigo: microscopia de contraste de fase.