A microscopia luminosa é a técnica de microscopia mais amplamente utilizada em laboratórios de microbiologia. Na microscopia luminosa, ou óptica, os objetos a serem estudados aparecem escuros e a área observada se apresenta bem iluminada. O poder de aumento de um microscópio óptico é de no máximo 2000 vezes. A dificuldade principal em microscopia luminosa é obter um grande poder de aumento, sem prejuízo da nitidez e definição da imagem.

Em microscopia luminosa, o poder de resolução representa o tamanho do menor objeto que pode ser visto ao microscópio com total nitidez. Um bom microscópio deve combinar poder de aumento com poder de resolução, caso contrário, uma imagem poderia ser ampliada 2000 vezes, mas apareceria distorcida e sem definição.

Quanto menor o poder de resolução, menor o tamanho do objeto que o microscópio consegue definir. Assim, um microscópio luminoso com um poder de resolução de 0,5 µm consegue ampliar, com nitidez, objetos maiores ou iguais a 0,5 µm.

Para calcular o poder de resolução de um microscópio óptico, precisamos conhecer:

  • O comprimento de onda da luz utilizada
  • A abertura numérica da objetiva
  • A abertura numérica do condensador.
O comprimento de onda da luz visível é conhecido e varia entre 400 e 700 nm, ou 0,4 a 0,7 µm.

Em microscopia luminosa, a abertura numérica (AN) é calculada pela fórmula:

AN = n sen θ, onde

n= índice de refração do meio. n=1,56 quando se utiliza óleo de imersão e n=1 quando não se utiliza óleo de imersão.
θ = metade do ângulo do cone de luz que entra na objetiva ou condensador. Ver figura abaixo.


Nos microscópios luminosos mais modernos, a AN da objetiva e do condensador é indicada no manual do equipamento.

Finalmente, o poder de resolução é calculado pela equação:



Em laboratórios de microbiologia, geralmente a técnica de microscopia luminosa é realizada com óleo de imersão. O óleo de imersão possui um índice de refração maior que o ar, aumentando a AN e reduzindo o poder de resolução, o que na prática possibilita a observação de objetos menores, como células e bactérias, por exemplo.

Este artigo foi útil para você? Deixe suas dúvidas e comentários e fique atento para o próximo artigo: microscopia de campo escuro.